29 de mar de 2011

Coisas que só acontecem com a Laíza.

 Então, hoje venho contar uma história engraçada que aconteceu comigo quinta-feira passada. Para mim, quinta é como se fosse sexta (pois eu só tenho aula de segunda à quinta). Quando chega a quinta depois da aula, chega aquele alívio que significa "enfim final de semana". Saio da aula, vou para a parada do trem (espero 10 min) e pego meu trem. Se alguém deixa o jornal (o que sempre acontece), pego o jornal, dou uma lida por cima (porque ler em trem, ônibus ou qualquer lugar em movimento me dá dor de cabeça), jogo o sudoku (meu maior vício depois do chocolate). Mas isso não toma nem 10 min da minha longa jornada de viagem que dura 1h até a cidade onde eu moro.
 Aquele banco do trem começa a se tornar aconchegante, quentinho e o sono começa a pegar.
 Geralmente eu durmo e coloco o celular para despertar no horário que está quase na minha parada. Mas nesse dia eu não coloquei o celular para despertar porque a minha bateria estava acabando, então fiquei jogando joguinho no celular para passar o tempo e me entreter para o sono não pegar.
 De repente acordei!
 Não percebi que durmi, nem sei quando eu dormi. Simplesmente acordei sozinha no trem. Aí bateu o pânico e eu pensei "Não, isso não está acontecendo." Fiquei uns 10 minutos sentada, em transe total! Até que tomei coragem, levantei e fui ver qual era a próxima parada.
 A minha é Drogheda (penúltima parada) e depois vem Dundalk (última parada). Adivinhem qual era a próxima parada quando eu acordei? SIM! Dundalk. Mas o problema não era ter perdido a parada, e sim o horário. Já era meia noite e não tinha mais trem, muito menos ônibus. Fiquei apavorada! Eu não tive a cara de pau de ligar para minha chefe e contar que a tansa dormiu no trem e agora estava no quinto dos judas sem ter como voltar para casa. Ah, meu celular estava vivo ainda, apitando avisando que a bateria ia acabar a qualquer momento, então anotei o número da minha chefe e da Nana em um papel, vai que eu tivesse que dormir na parada do trem, nunca se sabe. A minha unica alternativa era apelar para o táxi, mas quem me conhece sabe que eu nunca ando com dinheiro (sim, eu sei que isso não é legal). Minha cidade fica 41Km de distância de Dundalk, barato que não ia sair essa brincadeira, mas vamos lá, não tinha outra alternativa.
 Entrei no táxi e expliquei tudo pro motorista (com meu inglês impecável, claro), nervosa o inglês flui, podem ter certeza. hahaha
 Perguntei quanto ia dar mais ou menos, e ele me disse uns 45 euros. Que dor no coração, mas "keep going".
 O taxista teve que me levar até a estação do trem em Drogheda, onde eu peguei o carro e fui pra minha casa. Ele foi me seguindo, pois precisava pegar o dinheiro para pagar a corrida. Quando chego em casa, pergunto para ele quanto deu, e ele mostra o trequinho lá que esqueci o nome e eu vejo que deu 63 euros. Pronto, a facada atravessou todos os meus órgãos, estou morta.
 Mas como ele simpatizou com a minha linda carinha, ou simplesmente ficou com pena da boca-berta que dormiu no trem (certo que foi por causa da segunda opção), me fez a corrida por 50 euros.
 Fui no meu quarto, peguei o dinheiro, paguei, agradeci horrores o taxista e quando voltei para dentro de casa não conseguia processar o acontecimento. Logo eu? A pessoa mais pão dura da face da terra (menos pão dura na Irlanda que no Brasil, mas enfim, pão dura), gastando 50 euros fácil assim?! Raiva raiva, muita raiva de mim mesma. Claro, é como a Nana me disse, dinheiro é o de menos, poderia ter sido pior. Imagina se não existisse táxi? VIVA OS TAXIS!
 Isso foi para aprender a nunca mais dormir no trem. Agora faço de tudo para me entreter. Nem colocando o celular para despertar eu durmo mais. Fiquei muito traumatizada, sério.
 Agora eu dou risada quando conto isso, mas na hora não teve graça nenhuma.
 Poxa, ficou grande essa história. Não gosto de escrever coisas muito longas porque às vezes tenho preguiça de ler textos compridos, então imagino que algumas pessoas sejam como eu.

 E agora, para eu continuar com o troféu "Laíza, miss bocabertice", perdi meu celular. Não sei como, mas a última vez que vi ele foi ontem de tarde aqui em casa. Então ainda tenho esperanças de encontrá-lo. Sim, já tentei ligar, mas como sempre a bateria estava acabando e agora ele está desligado. :)
 Sou tão mangolona que ainda conto essas coisas no blog. Mas paciência, daqui um tempo vou ler e ver o quão tansa eu era.



Música do dia!
"Mas se você quiser me acompanhar, eu vou te convidar pra ir pra onde... Vamos embora, para um bar, beber, cair e levantar!"


7 comentários:

  1. olha gêmia.... acho que vou te mandar um despertador via correio hahahaha.
    e é como a Nana lhe disse, dinheiro é o de menos, poderia ter sido pior.
    bem pior né, agente ñ espera q as coisas aconteçam.. elas simplesmente acontecem!
    E o taxista foi bacana em te dar um desconto esperto! Claro que não foi grandes coisas, mais diminui o "troquinho".

    te cuida, e NÃO DORME NO PONTO, literalmente hahaha.

    bj bj bj

    ResponderExcluir
  2. ahahhaaahhaha
    tu tem que me escutar... andar com esse celular carregado e botar despertador!
    e depois tu ainda diz que tu é que cuida de mim!!!! hahaha
    agora temos que rir dessa história mesmo, mas quando tu me ligou fiquei apavorada também e a coisa que eu pensava era "só podia ser a laíza!!!"
    hehehe
    te adoro tansinha

    ResponderExcluir
  3. ainda bem q fiquei sabendo depois disso tudo manézinha...
    mas tu viu o presentimento do papito te liguei bem na horinha
    hehehehehehe
    sorte tua q não era um taxista brasileiro c não tu ia ver a facada 100 euros no minimo

    dorme 8 hrs por dia q tu não dorme no ponto

    bjão t amo

    ResponderExcluir
  4. hahahahha very funny!!!
    hahah

    te cuida por aí e viva às peripécias em Dublin!!

    ResponderExcluir
  5. ACORDAAA LAÍZA
    hehe
    que bom que nao aconteceu nada pior, além da "facada" de 50 euros né
    te cuida guria
    bjo

    ResponderExcluir
  6. Puxa Laíza!

    Que história. Eu tava lendo e cada vez lia mais depressa para ver o final.
    Quase dava um filme. Hehehehehehhe
    O melhor de tudo é que terminou tudo bem. E o melhor ainda que tu não ficou te lamentando. Pelo contrário, aprendeu uma lição e acabou levando tudo numa boa.A vida é assim mesmo: prega peças, e que peças. Mas um conselho de uma pessoa que tem muita admiração por ti: ' NÃO DURMA NO PONTO".
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. hahahaha
    Podem deixar pessoal!
    NUNCA MAIS DURMO NO PONTO!!
    hahahaha

    ResponderExcluir